9° Mandamento – Não darás falso testemunho

Não darás falso testemunho contra o teu próximo.
Êxodo 20:16

Estamos caminhando para a reta final da nossa série de artigos sobre os dez mandamentos e o nono mandamento é o mais abrangente de todos os anteriores.

O significado do nono mandamento:

O nono mandamento exige a conservação e promoção da verdade entre os homens, e a manutenção da nossa boa reputação, e a do nosso próximo, especialmente quando somos chamados a dar testemunho. Exige que não mintamos ou enganemos, mas falemos a verdade com amor.

O oitavo mandamento também proíbe que se acuse alguma pessoa por aquilo que ela não fez. Portanto, pode-se dizer que ele trata da calúnia, da mentira, da fofoca e da difamação. Faltar à verdade configura uma falta moral grave diante de Deus. Não é pecado apenas quando falamos algo mentiroso contra alguém, mas também quando ouvimos algo que sabemos ser mentira e não fazemos nada, às vezes com medo de sermos atacados por aqueles que mentem.

O que Jesus disse sobre o nono mandamento:

Jesus disso que devemos dizer somente sim ou não, e o que passa disso vem do maligno (Mateus 5:37). Ou seja, em nossas palavras não pode haver mentiras, nem calúnias ou difamações, mas sermos verdadeiros naquilo que falamos.

As proibições do nono mandamento:

O nono mandamento proíbe tudo o que é prejudicial à verdade, ou injurioso, tanto à nossa reputação como à do nosso próximo.

Toda mentira é errado?

Já vimos que a quebra do nono mandamento não é apenas através de falsos testemunhos, e  que a mentira também é uma forma de quebra do mandamento. Mas, existem alguns casos na Bíblia que foram contadas mentiras para preservação da vida e da vontade de Deus, conforme podemos ver abaixo:

  1. As parteiras no Egito que salvaram os hebreus recém-nascidos – Êxodo: 1:15-21;
  2. A traição de Raabe para salvar os espias – Josué 2:4-6
  3. Samuel engana Saul quanto ao objetivo da sua missão para ungir Davi como futuro rei de Israel – 1 Samuel 16:1-5;
  4. Davi se finge de louco para não ser morto pelos filisteus – 1 Samuel 21:13;
  5. Deus envia um espírito mentiroso contra Acabe para enganá-lo – 1 Reis 22:19-23;
  6. Jeremias mente para os príncipes sobre a destruição de Jerusalém – Jeremias 38:24-28.

Nesses casos podemos dizer que a mentira foi aprovada por Deus? Não, olhemos para o texto do evangelho de João: “Vocês pertencem ao pai de vocês, o Diabo, e querem realizar o desejo dele. Ele foi homicida desde o princípio e não se apegou à verdade, pois não há verdade nele. Quando mente, fala a sua própria língua, pois é mentiroso e pai da mentira.” João 8:44

Jesus disse que o diabo é o pai da mentira, então toda mentira não é aprovada por Deus. Por mais que vemos nos textos que as mentiras foram usadas muitas vezes para a preservação da vida e da vontade de Deus, o correto é sempre dizermos a verdade, afinal Ele é a Verdade e Ele não precisa de mentirmos para que a Sua vontade prevaleça. Às vezes pensamos que precisamos ajudar a Deus, até mesmo se precisar contar uma mentira, mas Deus não precisa de nosso escape, ele mesmo providencia um jeito daquilo que Ele prometeu acontecer.

Conclusão:

A quebra do nono mandamento tem muito a ver com aquilo que dizemos, afinal, falso testemunho é falar mentiras, caluniar o próximo, trazer fofocas, contendas e difamações, é também nos omitirmos sobre algo quando sabemos que aquilo não é verdade. É por isso que o apóstolo Tiago e tantos outros autores bíblicos nos alertam sobre o poder da língua. Salomão o homem mais sábio da história da humanidade disse que: “A língua tem poder sobre a vida e sobre a morte; os que gostam de usá-la comerão do seu fruto.” (Provérbios 18:21)
Devemos tomar cuidado com a forma que utilizamos a nossa língua, porque como acabamos de ver, ela pode ser usada para trazer vida ou morte, benção ou maldição, cabe a cada um de nós temperar a nossa língua com sal.

Compartilhe este conteúdo em suas redes sócias:
Imagem padrão
Sérgio Luiz

Apaixonado por teologia e pela bíblia. Pós-graduado em Estudos Bíblicos do Novo Testamento pela universidade Unicesumar. Coordenador e professor da rede de ensino de sua igreja local.

Artigos: 126