Salmo 37 – Pecados que nos afastam de Deus

O Senhor firma os passos de um homem, quando a conduta deste o agrada; ainda que tropece, não cairá, pois o Senhor o toma pela mão.
Salmos 37:23-24

O salmo 37 é de origem davídica. Um salmo classificado como sapiencial ou de sabedoria. Esse tipo de salmo é composto por citações proverbiais, reflexões, preceitos, advertências e exortações, com a finalidade de instruir os ignorantes e estimular os menos fervorosos.

Além disso, esses salmos têm como objetivo fazer com que o povo encontre na Palavra de Deus, bênçãos e felicidade, caminhem na fé, confie em Deus, sejam justos e se desviem de todo homem ímpio e entenda que o Senhor retribui quem faz o bem.

Entendendo tudo isso, quero falar sobre alguns pecados que o salmista retrata no salmo 37, que devemos nos afastar, caso contrário, eles nos afastarão de Deus.

1° – Inveja – “Não se aborreça por causa dos homens maus e não tenha inveja dos perversos;” Salmos 37:1
Segundo o dicionário,  inveja é desgosto provocado pela felicidade ou prosperidade alheia. É algo bem sútil e que ninguém está livre. A inveja pode nos afastar da pessoa a qual invejamos e até mesmo de Deus. Um exemplo claro na Bíblia é Saul, ele quando escutou o povo cantando: “Saul matou milhares; Davi, dezenas de milhares” (1 Samuel 18:7), algo penetrou em seu coração e como rei não queria acreditar que um subordinado seu estava ficando mais famoso que ele. A inveja entrou em seu coração e deu lugar para o rancor. Resultado, ficou longe de Deus, perdeu o reinado e sua família toda foi destruída.

2° – Ira – “Evite a ira e rejeite a fúria; não se irrite: isso só leva ao mal.” Salmos 37:8
A preocupação primária de Davi não é diretamente com o que os justos possam, em sua ira, fazer. Davi olha para os servos de Deus e teme pelo que a ira os pode causar, já que completa: “isso só leva ao mal”. Como remédio a esse sentimento crescente e destrutivo, o salmista oferece a esperança futura para os que agem da forma oposta, como afirma no verso 11: “Mas os humildes receberão a terra por herança e desfrutarão pleno bem-estar.”

3° – Ganância – “Melhor é o pouco do justo do que a riqueza de muitos ímpios.” Salmos 37:16
Ganância significa ambição, cobiça ou desejo intenso, imoderado por bens e riquezas. Não importa se o servo de Deus não tem os recursos financeiros que garantem a sua paz, pois Deus, que é o dono de tudo, supre a necessidade dos seus filhos. A esperança nos bens é passageira e inexata, enquanto, conforme revela o salmista, a esperança em Deus é segura e fundamentada em um amor que nunca passa. Quer um exemplo de uma pessoa gananciosa na Bíblia? Ananias e Safira. Acredito que todos saibam o que aconteceu com eles, por amarem mais o dinheiro do que a Deus, foram mortos. Caso não conheça a história, leia Atos 5.

4° – Egoísmo – “Os ímpios tomam emprestado e não devolvem, mas os justos dão com generosidade.” Salmos 37:21
A ganância nem sempre é egoísta, mas o egoísmo sempre é ganancioso. A ganância do ímpio não deixa que ele se incomode com o fato de prejudicar o outro. Nesse ponto, seu egoísmo se revela: ele tem lucro sobre o prejuízo alheio, como se somente o seu bem-estar e os seus interesses importassem. Esse é um sentimento contra o qual o servo de Deus deve lutar o tempo todo, já que, depois do pecado, o homem desenvolveu naturalmente uma disposição egoísta. Nossas preocupações são voltadas somente no eu, porém Jesus nos ensina claramente que é melhor dar do que receber.

5° – Malícia – “Desvie-se do mal e faça o bem; e você terá sempre onde morar.” Salmos 37:27
O que o salmista nos ensina é um movimento duplo, afastar-se do mal e fazer o bem. Não adianta fazer a primeira e negligenciar a segunda. Precisamos entender que a malícia não é somente a inclinação para fazer o mal, mas, pode ser aquele que gosta de enganar as pessoas, aquele que é astuto, e essa é uma das “qualidades” de satanás.

Vemos os 5 pecados que o salmista retrata claramente. Em nossos dias, muitas pessoas têm caído em um desses pecados, ou até mesmo em mais de um ou em todos ao mesmo tempo. Mas, o que o salmista revela no primeiro texto que lemos é: “O Senhor firma os passos de um homem, quando a conduta deste o agrada; ainda que tropece, não cairá, pois o Senhor o toma pela mão.” Se Deus agrada da nossa conduta, ou seja, se nosso coração está voltado para Ele, ainda que venhamos tropeçar em um desses pecados ou em qualquer outro, o Senhor não nos deixará cair e Ele mesmo irá segurar nossa mão e nos fortalecer. Na nossa caminhada, muitas vezes iremos tropeçar em alguns pecados, alguns fáceis de vencer, outros que iremos lutar contra eles a vida toda, mas de uma coisa precisamos ter certeza, se temermos a Deus e amarmos a Ele, não cairemos, jamais nos desviaremos, pois Ele está sempre conosco e nos fortalece. Quero terminar esse estudo por aqui e no próximo quero continuar falando sobre o salmo 37 e dizer sobre o que precisamos para que Deus venha nos fortalecer.

Compartilhe este conteúdo em suas redes sócias:
Imagem padrão
Sérgio Luiz

Apaixonado por teologia e pela bíblia. Pós-graduado em Estudos Bíblicos do Novo Testamento pela universidade Unicesumar. Coordenador e professor da rede de ensino de sua igreja local.

Artigos: 137