Quando o pecado cega os nossos olhos e coração

Então o Senhor falou a Samuel: Arrependo-me de ter posto Saul como rei, pois ele me abandonou e não seguiu as minhas instruções. Samuel ficou irado e clamou ao Senhor toda aquela noite. De madrugada Samuel foi ao encontro de Saul, mas lhe disseram: Saul foi para o Carmelo, onde ergueu um monumento em sua própria honra e depois foi para Gilgal. Quando Samuel o encontrou, Saul disse: O Senhor te abençoe! Eu segui as instruções do Senhor. Samuel, porém, perguntou: Então que balido de ovelhas é esse que ouço com meus próprios ouvidos? Que mugido de bois é esse que estou ouvindo? Respondeu Saul: Os soldados os trouxeram dos amalequitas; eles pouparam o melhor das ovelhas e dos bois para sacrificarem ao Senhor, o teu Deus, mas destruímos totalmente o restante.
1 Samuel 15:10-15

Quando Deus nos ordena algo, o melhor a fazer é obedecer. Deus ordenou a Saul para ele derrotar os amalequitas e matar todos aqueles que tinha vidas, tanto homens como animais. Esse martírio todo não seria falta de amor de Deus, mas a ira dele sobre um povo que já tinha sido pedra de tropeço para o povo de Israel anteriormente. Qual foi o resultado do rei Saul? Obedeceu? Não! Deixou não apenas o rei vivo, mas todos os animais. Quando foi questionando pelo profeta Samuel a razão de ter feito tal desobediência, Saul disse que fez o que fez para trazer um sacrifício ao Senhor.

Saul, como rei da nação de Israel, era para entender que não existe sacrifício maior do que obedecer e fazer a vontade de Deus. Mas, ele ficou cego pela suas ações e suas conquistas. O erro do rei Saul não foi apenas a desobediência a Deus, mas ergueu um monumento em sua própria honra, conforme lemos no verso 12. O pecado na vida de Saul estava tão latente, que os seus olhos estavam cegos para a vontade de Deus e o seu coração endurecido.

Na verdade, o pecado sempre faz isso, nos deixa cego e endurece o nosso coração. No início uma única desobediência pode ser algo que dói em nosso coração, nos traz tristeza e desconforto. Mas, à medida que os dias passam, aquele mesmo pecado que outrora trazia tristeza e desconforto, não nos causa mais nada. Quantas vezes nos acostumamos com o pecado, nos acostumamos em andar em desobediência? Pensamos que se é algo que todos fazem, nos é lícito também fazer. Mas, nós como cristãos, precisamos ser a diferença, precisamos não nos conformar com as coisas desse mundo, precisamos andar na contramão dos valores desta terra.

Saul ergueu um monumento em sua adoração e quantas vezes erguemos monumentos em nossas vidas. Pode ser um vida financeira, um emprego, um relacionamento, um ministério, se tem algo que está roubando o lugar de Deus em nossa vida, isto é idolatria. Nada pode roubar o Seu lugar.

Saul também escutou os seus soldados para levar os animais de volta ao acampamento para sacrificar a Deus. Quantas vezes somos como Saul, escutamos todas as vozes que estão ao nosso redor, até mesmo aquelas que nos ensina algo que é contrário a vontade de Deus. Que o exemplo de Saul sirva para nós, não como um modelo a ser seguido, mas um modelo a não seguir. Um aviso de como pessoas que podem até serem escolhidas por Deus em um determinado momento, podem cair em pecado e deixar que a vida de pecado os torne cegos e duros de coração. Que os nossos olhos e corações estejam sempre voltados para Deus e para fazer a sua vontade.

Compartilhe este conteúdo em suas redes sócias:
Imagem padrão
Sérgio Luiz

Apaixonado por teologia e pela bíblia. Pós-graduado em Estudos Bíblicos do Novo Testamento pela universidade Unicesumar. Coordenador e professor da rede de ensino de sua igreja local.

Artigos: 126