A fé que é maior que as circunstâncias

Então o Senhor disse a Abrão: “Saia da sua terra, do meio dos seus parentes e da casa de seu pai, e vá para a terra que eu lhe mostrarei. “Farei de você um grande povo, e o abençoarei. Tornarei famoso o seu nome, e você será uma bênção. Abençoarei os que o abençoarem e amaldiçoarei os que o amaldiçoarem; e por meio de você todos os povos da terra serão abençoados”.
Gênesis 12:1-3

Abraão, que na época do seu chamado ainda se chamava Abrão, recebe um chamado de Deus para sair da sua terra, da casa dos seus familiares e ir a caminho de um terra que ele não conhecia, local que Deus o mostraria no caminho. Deus traz esse chamado para à sua vida, justamente pelo local que Abraão vivia. Se voltarmos um pouco no texto, no final do capítulo 11, vemos que seu pai Terá, sai de Ur dos Caldeus, local que veio a ser a Babilônia mais tarde (atual Iraque), para Canaã (atual Palestina, onde fica o território de Israel), mas, no meio do caminho faz uma parada em Harã (atual Turquia) e estabelecem-se ali. Conseguimos entender de imediato, que o chamado de Abraão era justamente para estabelecer o povo escolhido, na chamada terra santa, ou seja, Israel e ainda evitar que esse mesmo povo adorasse outros deuses, como eram o caso das cidades de Ur dos Caldeus e de Harã.

Porém, nem tudo são flores, se pensarmos aos olhos naturais, vemos que o chamado de Abrão houve muita fé, não somente pelo fato de aceitar um chamado de um Deus que ele não conhecia, mas, por Abraão vir de uma família que muitos poderiam dizer que era impossível ter uma descendência numerosa. Se voltarmos novamente ao final do capítulo 11, vemos que seu pai Terá tinha 3 filhos, um morreu antes de partirem de Ur dos Caldeus, os outros dois casaram-se, mas a esposa de Abraão era estéril e não poderia ter filhos. Aos nossos olhos, podemos pensar: como um homem que tem uma esposa estéril poderá ser pai de uma grande nação? E de fato, foi o que Abraão também pensou. Primeiramente, Abraão pensou que seu herdeiro seria Eliezer, seu servo (Gênesis 15:2-4). Segundo ele quis “ajudar” Deus e criar a sua própria descendência quando tomou a escrava de sua esposa, Hagar, e teve relações com ela (Gênesis 16:1-4). Dessa relação nasceu Ismael, os árabes de hoje, esse povo que está em constante briga com o povo de Israel.

O que Deus tinha preparado para Abraão era muito maior do que ele imaginaria, Ele troca o nome de Abrão (que significa pai exaltado) para Abraão (que significa pai de muitas nações), e lhe dá um filho aos 100 anos de idade. Abraão foi chamado para sair da sua terra quando tinha 75 anos e aos 100 anos que sua promessa iniciou a ser cumprida. Foram 25 anos de espera, e no início Abraão não quis esperar tanto tempo, tentou resolver do seu jeito, da mesma forma que muitas vezes nós fazemos. Mas, a Palavra de Deus, nunca deixa de se cumprir e não deixou de cumprir na vida de Abraão. Agora seria o início da descendência numerosa de Abraão. Só que não! Isaque, o filho da promessa, teve somente filhos aos 60 anos de idade, novamente teve que esperar, e seu neto Jacó também teve uma esposa estéril. Após, cerca de 290 anos do nascimento de Abraão, os seus herdeiros entraram no Egito quando José era o governador, o número da sua descendência nessa época não chegava a 80 pessoas. Porém, quando sai do Egito já no período de Moisés, após 400 anos, esse número segundo a Bíblia passava de 600 mil homens sem contar mulheres e crianças, alguns estudiosos estimam que eram cerca de 2 milhões de pessoas.

A promessa de Deus se cumpriu, a descendência de Abraão tornou-se numerosa, mesmo que no início havia dúvidas sobre isso, mesmo que as circunstâncias na época do chamado de Abraão não prevalecia para que isso ocorresse. Abraão teve fé, e ela o moveu em sua caminhada, essa fé o fez sair de um terra segura, para uma desconhecida, sair do meio da sua família, para um povo desconhecido. A mesma fé que o fez levar o seu único filho, o filho da promessa, para um sacrifício. É essa fé que devemos ter, maior que as circunstâncias, que mesmo diante dos problemas e dificuldades da vida, nos faz avançar. Foi essa fé que Abraão teve e por isso, nos deixa como exemplo para caminharmos mediante a fé.

Quero terminar com esta passagem de Hebreus 11, que fala exatamente sobre essa fé de Abraão, e por isso, foi muitas vezes chamado de pai da fé:
Pela fé Abraão, quando chamado, obedeceu e dirigiu-se a um lugar que mais tarde receberia como herança, embora não soubesse para onde estava indo. Pela fé peregrinou na terra prometida como se estivesse em terra estranha; viveu em tendas, bem como Isaque e Jacó, co-herdeiros da mesma promessa. Pois ele esperava a cidade que tem alicerces, cujo arquiteto e edificador é Deus. Pela fé Abraão – e também a própria Sara, apesar de estéril e avançada em idade – recebeu poder para gerar um filho, porque considerou fiel aquele que lhe havia feito a promessa. Assim, daquele homem já sem vitalidade originaram-se descendentes tão numerosos como as estrelas do céu e tão incontáveis como a areia da praia do mar.
Hebreus 11:8-12

Compartilhe este conteúdo em suas redes sócias:
Imagem padrão
Sérgio Luiz
Apaixonado por teologia e pela bíblia. Pós-graduado em Estudos Bíblicos do Novo Testamento pela universidade Unicesumar. Coordenador e professor da rede de ensino de sua igreja local.
Artigos: 30