As duas portas

Entrem pela porta estreita, pois larga é a porta e amplo o caminho que leva à perdição, e são muitos os que entram por ela. Como é estreita a porta, e apertado o caminho que leva à vida! São poucos os que a encontram.
Mateus 7:13-14

Essa passagem bíblica faz parte do bloco de texto que chamamos de Sermão do Monte. É uma passagem muito conhecida e que faz muito sentido relembrá-la nessa época que vivemos onde as pessoas preocupam-se cada vez menos com aquilo que é espiritual e mais com o que é passageiro.

Todos nós preferiríamos ter muitas opções para vivermos. Mas, Jesus descarta essa opção, nos apresentando uma só escolha e duas possibilidades. Existem dois caminhos: um caminho fácil, amplo, espaçoso e confortável e outro caminho difícil, estreito, apertado e incômodo. Não existe meio termo. Ou estamos no caminho largo ou no caminho apertado. O caminho que optarmos revela para onde estamos indo, revela a direção do nosso destino final.

No caminho largo há muito espaço para a diversidade de opiniões e a frouxidão moral. É o caminho da permissividade, em que não existem freios nem limites. Os viajantes desse caminho seguem as suas próprias inclinações, os desejos mais profundos do coração. O teólogo John Stott disse que as características de quem está nesse caminho é a “superficialidade, o egoísmo, a hipocrisia, religião mecânica, falsa ambição e condenação”. Para seguir por esse caminho basta recusar o outro.

O caminho difícil, por sua vez, é estreito. Seus limites são claramente demarcados, sua estreiteza restringe os peregrinos às fronteiras do que Deus tem revelado nas Escrituras como bom e verdadeiro. Precisamos nos lembrar de que embora a porta seja estreita e o caminho seja apertado, Cristo nos diz que seu “jugo é suave” e o seu “fardo é leve” (Mateus 11.30). Para se entrar na porta larga, não precisamos deixar nada para trás, mas podemos levar toda nossa bagagem conosco. Já na porta estreita, a fim de entrar por ela, temos de deixar tudo para trás: o pecado, a ambição egoísta, a cobiça e etc. A entrada da porta estreita e o caminho apertado são o próprio Jesus Cristo, e quem entrar por Ele será salvo (João 10.9), e será levado à vida eterna. Já a porta larga e o caminho espaçoso são entradas para um destino suicida, pois levará à destruição certa.

Jesus no sermão do monte não diz, bem-vindo a porta, mas sim “entrem pela porta”. O texto nos exige uma postura. Sair da inércia e entrar, tomar uma decisão em relação ao caminho. Não há neutralidade, apenas decisões excludentes. Alguns optam pela porta confortável, outros pela estreita.

Mas o problema é quando paramos diante da porta estreita. Existe uma quantidade considerável de pessoas que se dizem cristãs, que pararam diante da porta estreita. São até batizadas, participam da Ceia do Senhor, estão inseridos na membresia da igreja, são cristãs nominais, mas nunca, de fato, chegaram a entrar na porta. Vão ao culto, mas não levam o culto para as suas casas. Oram na igreja, mas não levam uma vida de oração. Gostam de escutar a pregação do pastor aos domingos, mas não leem a Bíblia de segunda a sábado. São cristãos que vivem um cristianismo medíocre, que nunca irão ter amadurecimento na fé. Essas pessoas, no momento da dificuldade, abandonarão a porta estreita rapidamente e irão pela porta larga.

Jesus não apenas ordena a entrar pela porta estreita, mas nos informa que poucas são as pessoas que a encontram. Não encontram porque não procuram, porque Ele mesmo diz que será achado por aqueles que o procuram. Não encontram porque querem aquilo que é fácil e tomar a cruz não é uma obra fácil. Não encontram porque estão mais preocupados com as coisas do mundo, do que agradar a Deus.

Quero terminar com a versão da Bíblia A Mensagem sobre esse texto, que nos mostra claramente aquilo que Jesus quis dizer para nós:
Não procurem atalhos para Deus. O mercado está transbordando de fórmulas fáceis e infalíveis para uma vida bem-sucedida que podem ser aplicadas em seu tempo livre. Não caiam nesse golpe, ainda que multidões o recomendem. O caminho para a vida — para Deus! — é difícil e requer dedicação total. Mateus 7:13-14

Compartilhe este conteúdo em suas redes sócias:
Imagem padrão
Sérgio Luiz

Apaixonado por teologia e pela bíblia. Pós-graduado em Estudos Bíblicos do Novo Testamento pela universidade Unicesumar. Coordenador e professor da rede de ensino de sua igreja local.

Artigos: 126