Qual o significado do jejum?

E eles lhe disseram: “Os discípulos de João jejuam e oram frequentemente, bem como os discípulos dos fariseus; mas os teus vivem comendo e bebendo”. Jesus respondeu: “Podem vocês fazer os convidados do noivo jejuar enquanto o noivo está com eles? Mas virão dias quando o noivo lhes será tirado; naqueles dias jejuarão”.
Lucas 5:33-35

Existem muitas dúvidas a respeito do jejum e dos propósitos que fazemos para Deus. Há aqueles que não dão valor algum ao jejum e aqueles que se excedem em suas ênfases sobre ele. Afinal, o que é jejuar? Qual o seu objetivo? Os propósitos que fazemos a Deus é um tipo de jejum? É errado fazer essas coisas? Quando devo fazê-las? O objetivo desse artigo é explicar mais sobre o jejum, algo tão falado na igreja hoje, mas, muitas vezes realizado da maneira errada.

O que é jejum?
Segundo o dicionário, o jejum é a abstinência total ou parcial de alimentos por um período definido e propósito específico. Tem sido praticado pela humanidade em praticamente todas as épocas, nações, culturas e religiões. Pode ser com finalidade espiritual ou até mesmo medicinal, visto que o jejum traz tremendos benefícios físicos com a desintoxicação que produz no corpo. Mas nosso enfoque aqui será o jejum bíblico.

Jesus e o jejum
Vemos no texto bíblico, um relato dos discípulos de João reclamando que os seus discípulos jejuavam, porém, os discípulos de Cristo não. Jesus fala claramente que os convidados do noivo não devem jejuar enquanto o noivo está com eles, mas quando Ele for tirado todos jejuarão. Então, qual era o motivo dos discípulos de Cristo não jejuar? O motivo é claro, eles tinham acesso a Ele constantemente. Jesus nos ensina que o jejum é para aproximarmos dEle e não para qualquer outro motivo. Jejum não é barganha, não é fazer alguma coisa para receber algo em troca. Nosso jejum tem que ser feito sempre para matar a nossa carne. Jesus jejuou 40 dias para ser tentado no deserto por Satanás, Ele não jejuou para receber uma benção do Pai, muito pelo contrário, Ele jejuou para estar mais próximo de Deus e vencer suas tentações. Se o próprio Senhor jejuou para vencer o pecado, por que ainda pensamos que o jejum é uma estratégia para conseguir uma benção?

Há recompensas em jejuar?
O jejum não é para ser mostrado a todos. Jesus relata isso no sermão do monte, quando fala que não devemos ser hipócritas e mudar a nossa aparência para mostrar a todos que estamos jejuando. Ele fala que nosso jejum deve ser em secreto, para que o nosso Pai que vê em secreto nos recompense (Mateus 6:16-18). Talvez você pense, então há uma recompensa? Há sim, mas, não jejuamos por ela. Fazemos por amor a Deus, para agradá-lo. Nossa recompensa muitas vezes pode nem ser bênçãos materiais, mas, poder vencer o pecado, talvez aqueles pecados mais difíceis de vencer.

O jejum que agrada a Deus
No Antigo Testamento vemos uma outra passagem sobre jejum em Isaías 58:3-7: “Por que jejuamos, dizem, e não o viste? Por que nos humilhamos, e não reparaste? Contudo, no dia do seu jejum vocês fazem o que é do agrado de vocês e exploram os seus empregados. Seu jejum termina em discussão e rixa e em brigas de socos brutais. Vocês não podem jejuar como fazem hoje e esperar que a sua voz seja ouvida no alto. Será esse o jejum que escolhi, que apenas um dia o homem se humilhe, incline a cabeça como o junco e se deite sobre pano de saco e cinzas? É isso que vocês chamam jejum, um dia aceitável ao Senhor? O jejum que desejo não é este: soltar as correntes da injustiça, desatar as cordas do jugo, pôr em liberdade os oprimidos e romper todo jugo? Não é partilhar sua comida com o faminto, abrigar o pobre desamparado, vestir o nu que você encontrou, e não recusar ajuda ao próximo?”
Nesta passagem, vemos que o povo se lamenta por ter jejuado em vão, já que Deus não leva em conta os sacrifícios realizados. Muito pelo contrário, Ele faz o povo ver que as práticas religiosas carecem de valor, se não são acompanhadas pela justiça e amor ao próximo. Deus está falando através de Isaías, que o verdadeiro jejum não consiste em atitudes exteriores, mas na renúncia à justiça e na sincera dedicação ao serviço ao nosso próximo.

Jejum e oração
Outro texto bíblico que fala sobre o jejum, é Marcos 9:14-29. Nesse texto, vemos que é levado um jovem endemoninhado aos discípulos de Jesus para que eles possam expulsá-lo, não conseguindo, ele é levado a Jesus e imediatamente o demônio o abandona. Assustados, os discípulos perguntam a Jesus o motivo deles não terem conseguido expulsar o demônio. Jesus responde dizendo que aquela espécie só sai pela oração e jejum. Em outros textos que relatam a mesma história (Mateus 17:14-23), Jesus fala que a fé que os discípulos têm é pequena. Baseado nessas passagens, muitos tem falado que o jejum nos traz um certo tipo de poder de Deus, porém, Jesus está nos ensinando que jejuar e orar não aumenta nosso poder de expulsar demônios, mas, aumenta a nossa fé. Aliás, jejuar e orar devem sempre andar juntos. Toda vez que a palavra jejum aparece no Novo Testamento, sempre vem com a palavra oração.

Conclusão
Há várias outras passagens que falam sobre jejum na Bíblia, mas resumindo, o jejum é renunciar a certas coisas que são boas para nós, para alcançar algo melhor. Não algo material, mas, a presença de Deus. No início, vimos o significado no dicionário sobre jejum e lá fala sobre abster de alimentos, mas, quero acrescentar aqui outras coisas além de alimentos, por exemplo, aquilo que nos afasta de Deus. Se tem algo em nossa vida que nos afasta dEle, esse algo é uma boa opção para abstermos. O jejum além de ser algo para nos aproximar de Deus, é algo que nos fortalece na luta contra o pecado e não devemos praticá-lo buscando receber as bênçãos de Deus. Ele pode sim e quer nos abençoar, mas não devemos fazer disso uma barganha. Podemos muito bem fazer um propósito para Deus, mas lembre-se que Ele não é obrigado a cumpri-lo, seu jejum não irá mudá-lo, mas você que mudará por jejuar.

Compartilhe este conteúdo em suas redes sócias:
Imagem padrão
Sérgio Luiz
Apaixonado por teologia e pela bíblia. Pós-graduado em Estudos Bíblicos do Novo Testamento pela universidade Unicesumar. Coordenador e professor da rede de ensino de sua igreja local.
Artigos: 30