Posso julgar o meu irmão?

Não julguem, para que vocês não sejam julgados. Pois da mesma forma que julgarem, vocês serão julgados; e a medida que usarem, também será usada para medir vocês. Por que você repara no cisco que está no olho do seu irmão e não se dá conta da viga que está em seu próprio olho? Como você pode dizer ao seu irmão: Deixe-me tirar o cisco do seu olho’, quando há uma viga no seu? Hipócrita, tire primeiro a viga do seu olho, e então você verá claramente para tirar o cisco do olho do seu irmão. Mateus 7:1-5

Jesus disse essas palavras quando estava recitando o tão famoso sermão do monte e muitos se escondem atrás desse texto para evitar qualquer tipo de disciplina. Mas, o que Jesus quis dizer, quando ele diz que não devemos julgar para não sermos julgados, e da mesma forma que julgarmos seremos julgados? Antes de qualquer análise, precisamos lembrar que o Novo Testamento foi escrito na língua grega e para fazermos uma exegese verdadeira, precisamos analisar o termo escrito em grego e o seu respectivo significado no português.

No original grego existem três palavras que são traduzidas para julgar em nossas Bíblias:
– Krino – no sentindo de condenar, decidir, determinar;
– Anakrino – questionar, examinar, avaliar, convocar para prestar contas;
– Diakrino – Avaliar, reconhecer, discernir, fazer distinção entre pessoas, tomar lado ou partido.

Quando Jesus disse que não devemos julgar, ele está dizendo que não devemos condenar, decidir, determinar, trazer uma sentença para a vida da pessoa. Até mesmo, se continuarmos o texto bíblico, vemos que ele faz uma espécie de julgamento: “Não deem o que é sagrado aos cães, nem atirem suas pérolas aos porcos; caso contrário, estes as pisarão e, aqueles, voltando-se contra vocês, os despedaçarão.” Mateus 7:6
Cães na bíblia significa as pessoas impuras, aquelas que não tem temor a Deus, termo muitas vezes usados para os pagãos e publicanos. Como saberíamos quais são essas pessoas impuras sem um tipo de discernimento, sem analisar e avaliar antes as condutas das pessoas? No mesmo texto que nosso Senhor nos manda não julgar, Ele manda julgar. Aí que entra a análise do texto original. Se formos traduzir o texto da maneira correta, seria algo assim: Não condenem para não serem condenados…, mas avaliem aquelas pessoas que não temem a Deus, para não dar algo de valor para quem não valoriza.

Se pensarmos que Jesus está proibindo qualquer tipo de julgamentos, Ele estaria sendo incoerente com o restante dos textos bíblicos e até mesmo com os seus ensinamentos. Vamos analisar outros textos:

Se o seu irmão pecar contra você, vá e, a sós com ele, mostre-lhe o erro. Se ele o ouvir, você ganhou seu irmão. Mas, se ele não o ouvir, leve consigo mais um ou dois outros, de modo que qualquer acusação seja confirmada pelo depoimento de duas ou três testemunhas. Se ele se recusar a ouvi-los, conte à igreja; e, se ele se recusar a ouvir também a igreja, trate-o como pagão ou publicano. Mateus 18:15-17
Nesse texto, vemos que Jesus ordena não somente julgar, no sentindo de ter um discernimento, de avaliar as atitudes do irmão, mas ir falar com ele e mostrar-lhe o erro. Se o irmão não arrepender, devemos levar mais um ou dois irmãos e se continuar sem arrependimento, devemos levar o caso para a igreja. Vemos diante desse texto, que Jesus não é contra todo tipo de julgamento, Ele é contra a condenação, colocar uma sentença na vida de outra pessoa, mas, ele é a favor de mostrar o caminho, de discernir, da disciplina bíblica.

Já disse por carta que vocês não devem associar-se com pessoas imorais. Com isso não me refiro aos imorais deste mundo nem aos avarentos, aos ladrões ou aos idólatras. Se assim fosse, vocês precisariam sair deste mundo. Mas agora estou escrevendo que não devem associar-se com qualquer que, dizendo-se irmão, seja imoral, avarento, idólatra, caluniador, alcoólatra ou ladrão. Com tais pessoas vocês nem devem comer. Pois como haveria eu de julgar os de fora da igreja? Não devem vocês julgar os que estão dentro? Deus julgará os de fora. Expulsem esse perverso do meio de vocês. 1 Coríntios 5:9-13
Paulo vai muito além das palavras de Cristo, ele diz que não devemos associar com pessoas imorais, nem mesmo se sentar para comer com elas. Outra afirmação que ele nos diz, é que devemos julgar os que estão dentro da igreja e deixar que Deus julgue os de fora da igreja. Muitas vezes até nisso fazemos errado. Queremos falar daqueles que estão fora, repreendê-los por seus erros, mas os que estão debaixo dos nossos olhos, passamos a mão na cabeça. Paulo diz que está errado, não devemos aceitar pessoas que se dizem irmãos, mas continuam na vida de pecado.

Evite, porém, controvérsias tolas, genealogias, discussões e contendas a respeito da Lei, porque essas coisas são inúteis e sem valor. Quanto àquele que provoca divisões, advirta-o uma primeira e uma segunda vez. Depois disso, rejeite-o. Você sabe que tal pessoa se perverteu e está em pecado; por si mesma está condenada. Tito 3:9-11
O apóstolo Paulo nesse texto, está nos exortando a repreender aquele que causa discussões e divisões na igreja. Devemos repreender até duas vezes, após isso apenas rejeitá-lo. Mais uma vez fortalecendo a questão da disciplina bíblica.

Saiba disto: nos últimos dias sobrevirão tempos terríveis. Os homens serão egoístas, avarentos, presunçosos, arrogantes, blasfemos, desobedientes aos pais, ingratos, ímpios, sem amor pela família, irreconciliáveis, caluniadores, sem domínio próprio, cruéis, inimigos do bem, traidores, precipitados, soberbos, mais amantes dos prazeres do que amigos de Deus, tendo aparência de piedade, mas negando o seu poder. Afaste-se desses também. 2 Timóteo 3:1-5
Já neste texto, Paulo está afirmando, que nos últimos dias serão tempos terríveis e cita as características das pessoas desses dias. O que me deixa mais intrigado, é que ele diz, que essas pessoas terão aparência de piedade, ou seja, terão várias características dos frutos da carne e mesmo assim irão dizer que são cristãs. Paulo fala para afastar desse tipo de pessoa. Nem conviver com elas, pois não tem interesse em mudar de vida.

Podemos citar vários versículos bíblicos que falam a favor do julgamento e da disciplina bíblica. Mas, para finalizar, quero dizer que, julgar no sentindo de discernimento, de apontar o caminho, de mostrar o erro com objetivo de a pessoa endireitar, é uma visão bíblica, coerente e não é falta de amor, muito pelo contrário, mostra o amor pela vida das pessoas. Não devemos pensar que um simples julgamento é algo proibido, a condenação sim, pois temos um único juiz que é Deus, e somente Ele pode dar uma sentença final. Mas, nós, como criaturas feito a imagem e semelhança dEle, podemos avaliar todas as coisas, como diz o apóstolo Paulo. Avaliar e mostrar para que as pessoas se arrependam e voltem para os caminhos do nosso Senhor.

Compartilhe este conteúdo em suas redes sócias:
Imagem padrão
Sérgio Luiz
Apaixonado por teologia e pela bíblia. Pós-graduado em Estudos Bíblicos do Novo Testamento pela universidade Unicesumar. Coordenador e professor da rede de ensino de sua igreja local.
Artigos: 30