A Igreja de Pérgamo

Ao anjo da igreja em Pérgamo, escreva: Estas são as palavras daquele que tem a espada afiada de dois gumes. Sei onde você vive—onde está o trono de Satanás. Contudo, você permanece fiel ao meu nome e não renunciou à sua fé em mim, nem mesmo quando Antipas, minha fiel testemunha, foi morto nessa cidade, onde Satanás habita. No entanto, tenho contra você algumas coisas: você tem aí pessoas que se apegam aos ensinos de Balaão, que ensinou Balaque a armar ciladas contra os israelitas, induzindo-os a comer alimentos sacrificados a ídolos e a praticar imoralidade sexual. De igual modo você tem também os que se apegam aos ensinos dos nicolaítas. Portanto, arrependa-se! Se não, virei em breve até você e lutarei contra eles com a espada da minha boca. Aquele que tem ouvidos ouça o que o Espírito diz às igrejas. Ao vencedor darei do maná escondido. Também lhe darei uma pedra branca com um novo nome nela inscrito, conhecido apenas por aquele que o recebe.
Apocalipse 2:12-17

A igreja de Pérgamo era uma das igrejas más aos olhos de Deus. Ela tolerava e ensinava imoralidade, mas antes de iniciarmos nosso estudo, falaremos um pouco do contexto histórico da cidade.

Contexto histórico da época

Pérgamo era uma cidade com um passado glorioso. Historicamente, era a mais importante cidade da Ásia. Começou a destacar-se depois da morte de Alexandre, o grande, em 333 a.C. Foi capital da Ásia por quase quatrocentos anos. Foi capital do reino Selêucida até 133 a.C. Átalo III, rei selêucida, o último de Pérgamo, passou o reino a Roma em seu testamento, e Pérgamo, tornou-se a capital da província romana da Ásia.

Pérgamo, também, era um importante centro cultural e sobrepujava Éfeso e Esmirna. Era famosa por sua biblioteca que possuía 200.000 pergaminhos. Era a segunda maior biblioteca do mundo, só superada pela de Alexandria. Pergaminho deriva-se de Pérgamo. O papiro do Egito era o material usado para escrever. No século III a.C., Eumenes, rei de Pérgamo, resolveu transformar a biblioteca de Pérgamo na maior do mundo. Convenceu a Aristófanes de Bizâncio, bibliotecário de Alexandria, a vir para Pérgamo. Ptolomeu, rei do Egito, revoltado, embargou o envio de papiro para Pérgamo. Então, inventaram o pergaminho, de couro alisado, que veio superar o papiro.

Pérgamo, ainda, era um destacado centro do paganismo religioso. No topo da Acrópole, ficava o famoso templo dedicado a Zeus, uma das setes maravilhas do mundo antigo. Havia, também, o culto a Esculápio. Ele era o “deus salvador”, o deus serpente das curas. Ali estava a sede de uma famosa escola de medicina. Muitas pessoas doentes do mundo inteiro peregrinavam ali em busca de saúde. O emblema de Esculápio era uma serpente, e, ainda hoje, a serpente decora os emblemas da medicina.

Jesus apresenta-se a sua igreja

“Ao anjo da igreja em Pérgamo, escreva: Estas são as palavras daquele que tem a espada afiada de dois gumes.” Apocalipse 2:12

Para uma igreja que existiam crentes fiéis e crentes que ensinavam heresias, Jesus se apresenta como aquele que tem a espada afiado de dois gumes. Espada que serve para separar o puro do impuro, para trazer discernimento daquele que é verdadeiro do que é falso. Espada nesse texto, não é literal, mas a própria Palavra de Deus que traz discernimento aos crentes.

Jesus elogia a sua igreja

“Sei onde você vive—onde está o trono de Satanás. Contudo, você permanece fiel ao meu nome e não renunciou à sua fé em mim, nem mesmo quando Antipas, minha fiel testemunha, foi morto nessa cidade, onde Satanás habita.” Apocalipse 2:13

Trono de Satanás refere-se ao paganismo e liberalismo que existia na cidade. Os ensinos pregados eram diabólicos, mas não existia literalmente um trono para Satanás. Jesus afirma que mesmo diante de tanto ensino falso na cidade, alguns crentes permaneciam fiel ao seu Nome e não renunciavam a fé cristã.
Na cidade uma vez por ano, os súditos deveriam ir ao templo de César e queimar incenso dizendo: “César é o senhor”. Depois, podiam ter qualquer outra religião. Quando desobedecido, a pessoa era morta. Provavelmente Antipas, essa testemunha fiel citada, foi morta por causa dessa situação.
Apesar de toda essa perseguição e falsos ensinamentos, muitos tinham mantido suas próprias convicções teológicas, por isso, Jesus elogiou a sua fidelidade e perseverança.

Jesus repreende a sua igreja por começar a negociar a verdade

“No entanto, tenho contra você algumas coisas: você tem aí pessoas que se apegam aos ensinos de Balaão, que ensinou Balaque a armar ciladas contra os israelitas, induzindo-os a comer alimentos sacrificados a ídolos e a praticar imoralidade sexual. De igual modo você tem também os que se apegam aos ensinos dos nicolaítas.” Apocalipse 2:14-15

Como Satanás, ao usar a perseguição, não logrou êxito contra a igreja, mudou sua tática e usou a sedução. A proposta agora não é substituição, mas mistura. Não é apostasia aberta, mas ecumenismo (união das religiões). Por isso, utilizou da mesma artimanha de Balaão.
Lá em Números 25 vemos sobre a história de Balaão, quando Balaque o contratou para amaldiçoar a Israel. Ele prostituiu seus dons com o objetivo de ganhar dinheiro. Mas, quando ele abria a boca, só conseguia abençoar, o que causa a fúria de Balaque. Balaão, portanto, aconselhou a Balaque a enfrentar Israel não com um grande exército, mas com pequenas donzelas sedutoras. Aconselhou a mistura, o incitamento ao pecado, a infiltração, uma armadilha para os judeus. Assim, os homens de Israel participariam de suas festas idólatras e se entregariam à prostituição. O grande problema da igreja era que, enquanto uns sustentavam a doutrina de Balaão, os demais membros da igreja se calaram em um silêncio estranho.
Um outro ensino na igreja era dos Nicolaítas, que ensinavam que o crente não precisa ser diferente. Quanto mais ele pecar maior será a graça. Quanto mais ele se entregar aos apetites da carne, maior será a oportunidade do perdão.
Para essa igreja que aceitava esses tipos de falsos ensinos, Jesus a repreende e exorta ao arrependimento.

Jesus aconselha a sua igreja a arrepender-se

“Portanto, arrependa-se! Se não, virei em breve até você e lutarei contra eles com a espada da minha boca.” Apocalipse 2:16

Embora apenas alguns membros da igreja se desviaram, os outros devem se arrepender, pois foram tolerantes com o pecado, se conformaram com o que estavam vendo.
Quando Jesus fala que lutará contra eles com a espada da sua boca está fazendo uma referência à Apocalipse 19:11-21, quando o texto irá retratar e vitória de Cristo sobre a besta.

A promessa de Jesus ao vencedor

“Aquele que tem ouvidos ouça o que o Espírito diz às igrejas. Ao vencedor darei do maná escondido. Também lhe darei uma pedra branca com um novo nome nela inscrito, conhecido apenas por aquele que o recebe.” Apocalipse 2:17

O maná escondido simboliza aqui, o privilégio incomparável que todos os cristãos sinceros têm de participar da grande festa celestial e messiânica chamada a ceia das bodas do cordeiro.
Uma pedra branca refere-se aos tempos antigos em que os escravos que conseguiam a alforria, ganhavam uma pedrinha branca como atestado de sua liberdade. Pode referir-se também a julgamentos antigos, quando uma pedra branca era dada para aquele que era considerado inocente.
Jesus aos nos dar uma pedra branca, está tanto nos dizendo que somos justificados e também que estamos livres de toda e qualquer escravidão que venha nos aprisionar.
Um novo nome faz uma referência à Isaías 62:2 em que o cristão irá receber um novo nome.

Conclusão

A igreja de Pérgamo é uma igreja como as de hoje, tem cristãos fiéis ao nome de Cristo, e cristãos que zombam do nome de Cristo ao pregarem falsos ensinos. O problema maior não é tanto os falsos crentes que trazem ensinos falsos para dentro da igreja, o problema maior são os cristãos verdadeiros que ao ver isso se calam e deixam que a igreja de Deus seja destruída. Os discípulos de Cristo ao serem confrontados para se calarem, disseram que não poderiam se calar diante de tudo que estavam vendo. Nós precisamos ter essa ousadia que eles tiveram, e não nos calarmos com o que temos visto algumas pessoas transformar a igreja do Senhor. Devemos nos posicionar, assim como os apóstolos se posicionavam e permanecer fiel aos caminhos do Senhor.

Compartilhe este conteúdo em suas redes sócias:
Imagem padrão
Sérgio Luiz

Apaixonado por teologia e pela bíblia. Pós-graduado em Estudos Bíblicos do Novo Testamento pela universidade Unicesumar. Coordenador e professor da rede de ensino de sua igreja local.

Artigos: 126